Levante a mão quem nunca desejou viver a vida de seu próximo? Ainda mais quando ela parece tão melhor quanto a nossa. Tudo, dos filhos, da esposa e até mesmo do emprego. Mas o que nos leva a estender nossos olhos sobre a cerca? O que nos leva a desejar aquela vida?
Bom, não sou um dos seres mais pensantes do planeta, mas é sábio dizer que costumamos olhar apenas aquilo que está na superfície das situações. Não paramos para refletir, comparar e tentar enxergar o que as pessoas escondem em suas profundezas.

O que existe e o porquê as coisas não funcionam como gostaríamos que funcionassem.

É um assunto delicado e não vou me estender para outras ramificações. Neste, vou falar apenas sobre como muitos de nós já ficamos olhando para nossos vizinhos desejando tudo que ele possuía. É estranho, mas parece que existe realmente uma estrela e uma nuvem sobre nossas cabeças.
Somos os arquitetos de nossos próprios caminhos. Criamos nossos problemas e também nossas soluções. Uma vida não se desenvolve sozinha, ainda mais quando estamos falando sobre família, que nada mais é que um grupo de pessoas unidas por um fim comum, ou melhor, por um fim comum acordado entre os dois pilares que começaram tudo, os filhos não escolhem nada, apenas devem aceitar onde foram inseridos.
O amor nos leva a fazer loucuras, nos traz felicidade, mas essa felicidade é pequena demais perto de todas as responsabilidades que tal união nos presenteia. Isso não é novidade. Muitos de nós reclamamos ao comparar namoros com casamento, que antes era assim e agora é assado…

Enfim, quando namoramos, estamos diante de uma novidade e vivemos a superfície de nós mesmos.

E quando o relacionamento vai se desenvolvendo para algo mais sério, nosso olhar vai se aprofundando. Vamos conhecendo coisas que até então, para nós eram desconhecidas. Algumas, conseguimos lidar, outras… Infelizmente, nos fazem pensar onde estávamos com a cabeça… E é por isso que digo: para um relacionamento dar certo, não basta apenas amor, é preciso paciência, compreensão e uma “baita” de uma boa vontade, afinal de contas, todos nós estamos aprendendo uns com os outros e ninguém é perfeito.
Mesmo assim, passamos por cima dessa máxima de nossa existência. Esperamos perfeição do próximo. Queremos que ele seja como nós queremos e não como eles são. E é nesse momento que os problemas começam a minar em plena sala de estar e vai dominando, cômodo a cômodo, até transformar nosso refúgio em uma prisão.

São nesses momentos que começamos a olhar para a vida dos vizinhos e pensar em como são felizes, como são perfeitos e como gostaríamos de ter uma mulher ou aquele homem ao nosso lado.

E mais uma vez deixamo-nos levar pela superficialidade da situação. Começamos a imaginar que nossas vidas poderiam ser melhores se tivéssemos alguém diferente do que temos ao nosso lado. Sinto em lhe dizer que, se tiver esse pensamento, vai se tornar um macaco que vive pulando de galho em galho até cair na realidade dolorida, somos nós que fazemos as coisas darem certo. Enquanto não adquirirmos esse discernimento, a grama do vizinho sempre será mais verde. Enquanto a nossa, será tomada pelas ervas daninhas que nós mesmos plantamos.
E quando uma roseira cresce com o caule inclinado, não existe mais nada que possamos fazer para consertar, todos nós precisamos de uma cordinha e de um apoio firme para crescermos corretamente e ficar pendendo para os lados. Pense nisso e, cuide de seu próprio jardim, com certeza, ele florescerá de uma maneira que você jamais esperou, mas tudo depende das sementes que planta e do jeito que cuida.

O que você tem plantado em seu jardim? Tem selecionado as sementes? Tem cuidado da terra? Tem tirado as ervas daninha que muitas vezes acabam estragando uma linda paisagem?

A grama do vizinho parece mais bonita que a sua? Provavelmente e, com certeza, alguém pensará isso de seu gramado e sabe por quê? Por que somente nós podemos conhecer a profundidade de nossos sentimentos, de nossos problemas, das situações que passamos quando decidimos começar uma família. É como dizem: para quem está de fora, tudo parece perfeito, mas para quem está dentro…
Por isso, não perca tempo olhando para o gramado de seu vizinho, aproveite esse tempo para olhar para o seu e cuidar de seu jardim, desta maneira, suas rosas crescerão saudáveis e bonitas. Tudo bem, não serão perfeitas, mas, pelo menos, você não ficará desejando aquilo que observa apenas de cima do muro, achando que tudo é perfeito. E uma das únicas coisas perfeitas que há no mundo é: o fato de aprendermos com nossos próprios erros e ficar com os olhos voltados para o lado de dentro de nossas cercas.