E se tivesse dito o que de melhor via em mim?

Sabe, esses dias, depois de muito refletir em suas palavras, me perguntei: e se tivesse dito o que de melhor via em mim? As coisas poderiam ser bem diferentes, com certeza. Pelo menos, não teria esse sentimento de decepção que tenho que conviver todos os dias e, o pior, não tenho oportunidade de mostrar que tenho algo para se orgulhar.Não sei se foram suas palavras, mas, no fundo, tinha razão, sempre teve. Talvez foi a única pessoa que verdadeiramente me conhecia, que verdadeiramente teve a audácia de me dizer tudo que precisava ser dito. E, realmente, fazendo uma análise de minha vida… Tinha razão. Desculpe por ser uma decepção, tentei de todas as maneiras ser o melhor.

Tais pensamentos não trazem nada de bom para ninguém, talvez seja por isso que sempre vejo o que a pessoa tem de melhor e tento, de todas as maneiras, chamar atenção para seus pontos fortes. Errar é comum no aprendizado e, não somos perfeitos, por mais que tentemos ser o tempo inteiro.
Sempre achei que, ao dar valor aos pontos negativos, os positivos perderiam força e acabariam sucumbido a força da decepção, afinal de contas, quem gosta de sentir-se negativo? Por mais sonhador que possa ser, ter esperança em dias melhores é algo que nos mantém capacitados para seguir adiante.Se não esperarmos, se não acreditarmos que nada de bom poderá acontecer… Pra que continuar? Estender o sofrimento até a loucura ou a depressão se instalar nas profundezas de nossa alma? Nos arrastara pela vida, um dia após o outro, como fantasmas arrastando correntes por uma casa fria, vazia e sem vida?

Não podemos deixar de acreditar. É tudo que temos. É preciso ser forte para acreditar e seguir adiante, infelizmente, encontraremos pelo caminho muitas pessoas que poderão nos desencorajar de alguma maneira, claro, convicção pode fazer toda a diferença, no entanto, nem mesmo o ser mais convicto resiste a pressões de si mesmo.

E quando começamos a questionar as nossas próprias qualidades e possibilidades… Eis um ponto que precisa de muita atenção. Isso é apenas o indicio dos primeiros passos em sentido ao lago plácido, onde, submerso, tudo ao redor desaparece, restando apenas aquela estranha sensação de torpor.

Eu bem sei qual é a sensação deste lago gelado, posso ver meu reflexo refletido em suas águas escuras, posso ler na vibração d’água as minhas falhas e, por mais que a noite esteja estrelada, não são as estrelas que vejo refletidas mas apenas, as minhas próprias frustrações, sem brilho, apenas ofuscando o que poderia vir a ser.

Esses sentimentos trazem algo de bom, as reflexões sempre trazem pontos positivos, talvez não para mim, infelizmente, para algumas pessoas não há mais tempo de reconstruir tudo, ainda mais quando destruímos não apenas o nosso mundo, como de outras pessoas que foram puxadas para dentro da história.

Mas, me pergunto: e se tivesse me falado o que tinha de bom? Se tivesse encarado meus erros como possibilidades de acertos futuros… Se tivesse me abraçado quando estava parado diante do abismo em vez de me empurrar para dentro dele… Será que hoje estaria sentado escrevendo apenas um terço do que carrego no peito?

E o pior, será que me sentiria na obrigação de sempre fazer tudo extremamente correto para não ouvir novamente que tudo que faço é errado? Mendigando aprovações para me sentir no caminho certo para algum lugar que desconheço. Talvez não seria assim… Talvez não estaria aqui sentado neste momento, muito menos, sentindo o que carrego na alma, no coração e a incapacidade de ouvir um sinto muito, fui duro demais com você.

Sei que nunca ouvirei isso de você, mas, como acredito que nada neste mundo é em vão, espero que tais palavras cheguem onde precisam chegar e, que as pessoas aprendam a olhar para o lado positivo e não apenas para o negativo, que saibam ajudar como nos aprimorar como seres humanos, para que, em um futuro próximo, possamos carregar na memória a figura de alguém que soube apontar nossas falhas, mas sem esquecer de valorizar o que temos de melhor.

Deixe um comentário