Tem pessoas que utilizam o restante de suas horas de almoço com passeios para queimar as gorduras que acabaram de adquirir, outras, preferem tirar um cochilo para voltar ao trabalho mais dispostos e mais preparados e, outras, preferem andar entre estantes de livro vendo os novos lançamentos e passando vontade. Coloquem meu nome nesta última lista.

Meus amigos de trabalho costumam dizer que tenho um caso com alguém da Saraiva Paulista por ir tanto aquele lugar. Não estão completamente errados, mas meu affair são os livros, sempre foram. Sinceramente, se pudesse compraria todos… Como não posso, vira e meche estou lá conversando com meus amigos e quando todos se escondem de mim, pego algum livro para dar uma lida, geralmente: crônicas.

Em um desses passeios, minha noiva se deparou com um livro de crônicas e ficou lendo, como estava conversando, não atentei até ela me chamar e dizer: Olha amor, esse cara parece com você… Pelo jeito é ele que pilota o fogão. Não preciso dizer que fui assunto durante algumas semanas na loja, mas, tudo bem… Fazer o que, pilotar um fogão não é para qualquer um… É apenas para aqueles que realmente dominam a força.

Nos dias seguintes, depois de cumprimentar meus amigos da loja, pegava o livro de Fabricio Carpinejar – Borralheiro e lia uma de suas crônicas. Acho que não preciso dizer que, enquanto lia, pensava que minha noiva estava certa mais uma vez… O autor parecia realmente comigo em determinados pontos e acabei me apaixonando por sua visão simples, peculiar e particular. E, em minhas mãos estava um livro que não poderia ler em doses homeopáticas, eu precisava tê-lo. Por fim, comprei-o.

Saboreei cada palavra de Carpinejar, cada rastro de sua vida deixada nas entrelinhas, me deparei com um homem apaixonado que conseguia avistar no cotidiano um pouco de uma magia que muitas vezes é atropelada pela loucura dos dias. Li o livro rapidamente e em muitos momentos ficava imaginando a vida desse autor como poderia ser. Tão apaixonado, tão dedicado, claro, ninguém é perfeito, mas um homem compreender sua mulher já é uma grande prova de sentimentos. Desejei felicidades para o casal enquanto meus olhos se deliciavam com as últimas crônicas do livro, mas guardei no coração minhas impressões.

Os dias continuaram seguindo seu rumo e com os meses, fui revisitando o livro, relendo algumas e transformando o livro como um artigo de minha mochila. Continuei passando minhas horas de almoço na Saraiva em companhia dos amigos, a vida normal…

Ao menos até perceber o novo livro do Carpinejar “Espero alguém”. Não me contive e comecei a ler e, para minha surpresa, a primeira coisa que li foi: ela me deixou… Naquele momento, senti um aperto no coração e fiquei pensando em como aquele homem tão apaixonado poderia estar… Senti vontade de ligar, de mandar um e-mail perguntando como estavam as coisas. Homens que escrevem o que ele escreveu, homens que fazem o que ele fez, com certeza, nos momentos que estão sozinhos se deparam com a pergunta que reverbera pela mente: onde errei?

O Borralheiro é um livro indicado para as pessoas que ainda avistam a magia do amor nas pequenas coisas que se encontram dentro do lar, de um arrumar a cama para seu amor se deitar quando chegar. O livro foi lançado pela Bertrand Brasil e está a venda nas melhores lojas do ramo. Ao Carpinejar… Muita força neste momento, em briga de marido e mulher ninguém mete a colher, mas pelo menos posso desejar que tal resolução leve a ambos para um lugar melhor.