Sou apenas uma sombra
Que nubla os dias ensolarados
Um fantasma que assombra
Com seu grito desesperado.
Sou apenas uma idéia perdida
Procurando uma cabeça para entrar
Em alguma espécie de lar, hospedar
Para sempre… ficar…
Durante muito tempo
Tive uma idéia do que era
Mas de repente, percebi
Que estava errado
Sobre mim mesmo
Afinal de contas, o que tenho
Além destas dores em meu peito
De tantos sonhos estripados
Nos becos escuros de minhas decisões?
Eu me olhei no espelho
E tudo que vi foi um espaço vago
Completamente desfalcado
Pela falsa idéia…
Eu vejo um mundo novo nascendo
Vejo tantas pessoas correndo
Quem dera se pudesse enxergar o que olham
Mas tudo que avisto é a escuridão
Que enche minha mente de decisão
Acho que chega um momento
Que a pessoa tem que ter em seu pensamento
O raro instante de dizer não.
Não para as dores que não se curam
Não para as lágrimas que não secaram
Não para os amores que migraram
Para o campo perdido chamado, decepção.
Não para os sonhos que não se realizaram
Não para as esperanças que não murcharam
Não para as vidas que em nós passaram
Pelos campos perdidos de ilusão.
No final de tudo, nesta imensa miragem
Estamos apenas de simples passagem.