Ele caminha sem destino e sem preocupação
Pois o destino não deixa de ser uma ilusão
Ele apenas observa o mundo e tudo que é vivo
Sem saber onde ancorar sua embarcação.
 
Ele apenas caminha em silêncio
Tendo em cada momento
Uma espécie de alimento
Pois podemos viver até de selênio.
 
Ele caminha sem destino e sem convicção
Pois como temporadas que vem e vão
O sentimento se altera em sua questão
É algo assim, como folhas sopradas no chão.
 
E quem poderá nos dizer a verdade sobre o amanhã?
Como saberemos se chegamos onde deveríamos chegar?
Eu tenho lágrimas em meus olhos, e ninguém para enxugar…
 
Existe um caminho distante da cordilheira da perdição
Um lugar onde a loucura e o desejo estão união
Sejam eles um novo paraíso ou apenas mais uma tentação
É melhor experimentar, do que perceber a ilusão…
 
Que se forma diante dos olhos daqueles que avistam
Exatamente o que querem simplesmente ver
A dor não deve ser apreciada, pois o sangue verte
Até a verdadeira alma desfalecer…
 
Mas eu te pergunto… O que nos fortalece afinal?
Será apenas caminhar sem nada questionar?
O que nos mantém caminhando para qualquer lugar?
Seria isso apenas um caminho simplesmente banal?
 
Me conte sua história, garota da tempestade
E eu lhe deixarei se proteger sob meu guarda-chuva
Verás que não temo a chuva fina que encanta
Mas prefiro não misturar minhas lágrimas impuras.
 
Então dance para mim, enquanto observo no silêncio
Rodopeie entre arcos de gotas que desfilam pela pele branca
E deixe-me apenas atuar sobre o palco de sua vida
Sei que ninguém pode curar minhas feridas…
 
Mas o que é o amanhã além de um dia após o outro
E o que é o momento além de algo para se guardar
O que é a vida em fim assim para mim?
Além de um destino diário a se traçar.