Algumas coisas parecem que aconteceram ontem… Ainda sinto o sabor da ceia do natal passado, as felicitações por mais um ano de vida, o amargo nos lábios daquela lágrima contida pelo aniversário de meu pai que, mais uma vez não pude dar parabéns por estar muito longe… por enquanto.
Em casa, já estamos nos atrasando para a montagem da árvore, contudo, parece que desmontamos a do natal passado ontem. Acho que o tempo tem passado rápido demais para finalmente chegar ao final de seu expediente. Só pode… Sei que às vezes o dia parece não passar, mas não caía nessa armadilha, ele passa e rápido. Tão rápido que às vezes nem temos tempo para consertar o que precisa ser consertado.
Logo, logo começaremos com aquela típica conversa de paulista… São Paulo só volta a funcionar com a corda toda depois do carnaval, ou seja, mergulharemos no natal em ceias e festas com os amigos para emergirmos para um novo ano de esperanças somente no dia 02 de janeiro de 2018 e, mesmo assim, seguiremos adiante preguiçosamente, prometendo para nós mesmos encarar aquela academia para perdermos os “quilinhos” adquiridos nesse período de fartura. 
E a realidade é que, se não abrirmos os olhos, não veremos o tempo passar e quando pararmos para reparar, estaremos nos preparando para o próximo natal. O tempo tem passado rápido demais, por mais que achemos entediantes nossos dias, por mais que eles pareçam se arrastar diante daquelas tarefas chatas, no geral, ele está cada vez mais se tornando areia que escorre por entre nossos dedos… Repare e reflita, a terça parece não passar, mas quando você menos esperar estará enviando imagens via WhatsApp comemorando a sexta-feira. 
E com o tempo passando tão rápido, com a vida frágil que temos, pergunto: será que vale a pena guardarmos sentimentos que não nos traz nada de bom? Nada melhor do que deixarmos as pecuinhas de lado, levar em consideração que somos seres humanos tão diferentes quanto o dia e a noite, portanto, pra que guardamos em nossos corações sentimentos que servem apenas para nos envenenar e consumir nossas mentes de uma maneira tão fútil e negativa? Nada melhor do que aprendermos a relevar, a selecionar aquilo que merece ser guardado e jogado fora.
Caminhar pela estrada da vida com o coração pesado de sentimentos ruins só complica nossa caminhada, além de tornar o caminho muito mais difícil, ainda corremos a possibilidade de chegarmos ao final e percebermos que desperdiçamos nosso precioso tempo com coisas que não mereciam nossa atenção. E o mais doloroso, chegar no final e descobrir que a chegada não é tudo, mas sim, tudo aquilo que vimos e aprendemos pelo percurso.
E com o tempo passando desse jeito, nem percebemos as arestas que vamos deixando de aparar e, quando chegamos a determinado estágio de intolerância, tudo ao redor parece simplesmente nos irritar de todas as maneiras possíveis. Precisamos aprender a viver com mais tolerância, com mais compreensão, olhando para o ser que está ao nosso lado e entendendo que ele está aprendendo como nós.
Tudo bem, alguns parecem repetentes, mas aprender é assim, alguns aprendem mais fácil, outros são mais difíceis de compreender as lições peculiares da vida. Mas, independente de qualquer ensinamento, precisamos lembrar que a vida passa rápido demais, que nosso coração é um baú de sentimentos que podem dar um rumo feliz ou não para nossas vidas. E, me diga: o que tem guardado em seu coração? Quais sentimentos têm aí? Eles realmente valem a pena ser guardados? Alguns servem apenas para nos ancorar à um passado que não importa mais… Pense nisso.
O tempo passa rápido demais e a estrada é repleta de acidentes e incidentes, não sabemos o que pode acontecer depois da próxima curva de nossas vidas, por isso, nada melhor do que seguirmos o caminho de cabeça erguida e com o coração leve de sentimentos negativos, todos nós estamos aprendendo e todos nós somos professores uns dos outros. Tudo que precisamos é apenas de um pouco de paciência para compreender que, cada um tem o seu próprio tempo de entendimento.