Confesso que venho protelando escrever sobre esse filme há muitos dias. Opa, peraí… Escrever sobre esse filme? Mas, o título do artigo não é Os Parças 1 e 2? Na verdade, esse texto tinha como intuito focar na continuação da produção de 2017, porém, depois de analisar friamente sua continuação lançada em 2019, preferi falar de ambos em um único texto (só para não escrever um texto de três linhas sobre Os Parças 2). E vamos começar pelo primeiro.

Os Parças narra à estória de quatro amigos que acabam se esbarrando por uma tragicomédia do destino e que, no meio de uma fuga desenfreada pelas ruas centrais de São Paulo, acabam invadindo e sendo salvos por Mário (Oscar Magrini) que percebe uma oportunidade de se dar bem com os três “abestados”.

É neste momento que o trio parada dura formado por Toinho (Tom Cavalcante), Ray Van (Whindersson Nunes) e Pirôla (Tirulipa), acabam encontrando seu quarto membro, Romeu (Bruno de Luca) que estava no escritório de Mário realizando a apresentação e instalação de um programa de organização de eventos. E, por acaso do destino, assim que o software começou a funcionar, Vaccário (Taumaturgo Ferreira) uma espécie de gangster muito perigoso, escolhe a agência para organizar o casamento da filha.

Mário apresenta sua empresa e recebe todo sinal para dar início aos preparativos, no entanto, percebendo a oportunidade de fugir tranquilamente com uma boa parte do direito, abandona os quatro amigos que não veem outra solução além de realizar o casamento de Cintia (Paloma Bernardi) com apenas quatro reais no bolso, caso contrário, poderiam acabar mortos. O que vemos depois desse fechamento de negócio é uma sucessão de loucuras e piruetas circenses que garantem bons momentos de risadas.

Trailer de Os Parças 1

Bom, apesar de ser um escritor de terror, sou fã de comédias. Acho que rir é essencial para enfrentarmos nossas batalhas diárias, além de, artisticamente falando, acho que escrever uma comédia exige muito mais do autor do que qualquer outro estilo. E, para mim, não importa se a comédia foi criticada positivamente ou não. Sou do tipo de pessoa que tem que assistir para crer. Se quiserem ler uma crítica que fiz por aqui a um maravilhoso comediante que acabou deslizando na lama em sua última produção, clique aqui: Holmes e Watson.

Os Parças 1 foi escrito por Cláudio Torres Gonzaga que  já concebeu ao mundo, outras comédias de sucesso, como por exemplo: Vestido para Casar, Os Cara de Pau, alguns episódios da maravilhosa: Uma Grande Família, o último episódio de Sai de baixo e também, Os Parças 2, mas, desse último, falaremos logo mais.

Os Parças e seus atores

O primeiro contou com grandes nomes da dramaturgia, entre eles, Taumaturgo Ferreira, Oscar Magrini e ainda, com participações extremamente especiais, como: Carlos Alberto de Nobrega, Wesley Safadão e Neymar. E claro, contando com as figuras principais que ajudaram essa obra cinematográfica a arrecadar cerca de $ 6,290,388. Se foi um sucesso para os estúdios que produziram… Não sei, infelizmente no site pesquisado não foi inserido o valor investido, mas, em comparação a outras produções, como por exemplo: Minha mãe é uma peça 3 que arrecadou cerca de $ 39,273,021.

Mas, continuando… Sou meio suspeito em falar a respeito de Tom Cavalcante, particularmente, gosto do trabalho do comediante e basta ver seu nome nos pôsteres, seja qual for à produção, lá vai eu para presenciar suas caras e bocas. Isso sem falar de suas imitações, alias, em Os Parças 1, realiza uma engraçadíssima imitação de um cantor brasileiro, não vou revelar qual para não cometer algum spoiler, ok? Sobre a interpretação de Tirulipa e Whindersson… Pense em uma química que deu certo… Mesmo com alguns exageros, Ray Van e Pirôla, se descatam e recebem elogios por um ótimo trabalho. Bruno de Luca, também está muito bem à vontade em seu papel de Romeu e é o responsável pelo lado romântico da película.

E agora, vamos falar de Os Parças 2

Em tempos antigos, quando os cinemas do centro ainda funcionavam e era um cinéfilo assíduo, não tinha essa moda de que os filmes continuavam após os créditos finais, hoje em dia, eles encontraram uma forma de segurar o telespectador até o final, algo que, particularmente, nada mais justo, acho que as pessoas que fazem parte de uma bela produção, mesmo com um trabalho pequeno, merecem seu reconhecimento profissional, por isso, ao assistir Os Parças 1, logo após os créditos finais, já deu a entender que viria uma continuação, foi uma cena de poucos segundos com Neymar que, por incrível que pareça, não caiu, mas deixou-me repleto de ansiedade.

Foram dois anos de espera e buscas na internet a respeito de informações a respeito de Os Parças 2, o que será que poderia vir de novo de um grupo de atores tão talentosos? Realizar uma continuação ao meu ver, é uma tarefa mais difícil do que apresentar algo novo pela primeira vez, geralmente, continuações chegam repletas de expectativas dos fãs e quando não atingidas, podem colocar todo investimento a perder. Devido aos avanços tecnológicos, as informações são disseminadas em tempo real, por isso, nada mais comum do que um fã decepcionado twittar diretamente da sala do cinema sua decepção. E, infelizmente, Os Parças 2, foi alvo de muitas críticas.

Para começar, a película arrecadou a soma de $ 4,530,412, um valor bem inferior ao primeiro, algo que comprova a rápida disseminação da informação a respeito da qualidade do filme. Provavelmente algo que aconteceu devido à temática escolhida pelo autor da continuação, Claúdio Torres Gonzaga que preferiu um caminho mais americanizado, misturado com uma espécie de Malhação, resultou em um filme que deixou muito a desejar e que ainda gerou críticas para os quatro atores sobre tentarem ser Os Novos Trapalhões.

Trailer Os Parças 2

Vamos lá… O filme continua após os eventos do primeiro. Na continuação, Vaccário foge juntamente com sua filha deixando para trás, Romeu e um inimigo que está prestes a sair da cadeia e jurou se vingar de todos, começando pelo único que está no Brasil, Romeu. Por isso, Toinho, Ray Van, Pilôra, decidem ajudar o amigo e vão se esconder em um acampamento de verão da família, porém, ao chegarem lá, se deparam com um lugar abandonado que servia apenas para lavar dinheiro.

Os quatro amigos, juntamente com a caseira do lugar, começam a trabalhar para deixar a espelunca funcionando para tentarem arrumar alguma grana para poderem despachar Romeu para o encontro de Cintia. Eles correm contra o tempo, um perigoso mau elemento chamado China está para sair da cadeia e jurou se vingar dos Vaccários, o problema que o único que está por aqui é Romeu. Enquanto trabalham no lugar, um grupo de jovens mimados que me pareceram vir direto do elenco de Malhação, chegam ao local, ainda completamente desordenado e acabam tendo as piores férias de suas vidas.

Os jovens ainda tentam dar meia volta no ônibus, mas um lamaçal os impede de seguir viagem, os forçando a voltar para o acampamento. Neste momento, o acampamento liderado pelos Parças conhecem o acampamento vizinho, que é muito melhor, mais organizado e muito mais abastado. E nesse momento, começa uma disputa entre os acampamentos, algo extremamente padrão nos filmes americanos que seguem essa temática de acampamento de verão.

As piadas do filme são fracas, a atuação dos garotos também e a do vilão da película, só não foi pior pelo fato de ter assistido ao “Vende-se Imóvel” e me deparado com a interpretação da noiva do protagonista da estória, mesmo assim, a distância entre os dois é bem diminuta. Em resumo, particularmente, não me vem nada na cabeça que salve Os Parças 2, nem mesmo as caras e bocas de Tom Cavalcante e muito menos a interpretação simbiótica de Whindersson e Tirulipa. Bruna de Luca, apesar da presença do primeiro, no segundo, parece caminhar à parte da estória, aparecendo em momentos só para lembrar que existe um chinês querendo sua cabeça.

Se vale a pena assistir ou não Os Parças 2? Bom, sou da seguinte opinião: você deve assistir para ter sua própria opinião. O que é ruim para mim, pode ser bom para você ou vice-versa, por isso, aproveitando o tempo disponível nos tempos de quarentena… Por que não arriscar? De duas, uma: ou você concordará comigo ou simplesmente encontrará alguma razão de sorrir com esse filme e caso consiga, por favor, não deixe de me avisar, talvez esteja esperando apenas isso para ter coragem de assistir novamente e tirar a prova dos nove.