No Oscar de 2016 o mestre de cerimônias destilou sobre a plateia do Teatro Dolby e sobre o mundo piadas ácidas a respeito da ausência de negros na premiação. Chris Rock forçou tanto a barra que, na minha opinião, foi o mais preconceituoso do evento. Já houve premiações em que negros ganharam prêmios, Denzel Washington e Halle Barry e, caso não seja suficiente, Sidney Portier foi homenageado com um Oscar Honorário, por sua contribuição para o cinema. Isso é preconceito?
Na minha opinião isso é reconhecimento de um homem que marcou uma parte da história interpretando seus papéis, claro que não foi fácil, como nada na vida é fácil, mas ele conseguiu e foi honrado por isso. Mas, para negros concorrerem ao Prêmio Oscar se faz necessário trabalhar em bons  filmes para isso e, infelizmente, no ano de 2016 não houve nenhum filme realmente bom para ser indicado ao Oscar, quer dizer, teve do Will Smith, Golpe Duplo, mas, não seria pior indicar um filme ruim somente por causa da inclusão? 
No Oscar 2017 as coisas foram muito, mas muito diferentes, não sei se foram resultados das críticas do mestre cerimonias do ano passado ou se foram realmente pela presença de ótimos filmes e atores. Neste ano tivemos grandes atores negros desfilando no tapete vermelho, inclusive os dois mencionados que já ganharam Oscar, anos antes dessa história de preconceito ou inclusão, ou seja, eles ganharam por que fizeram um ótimo trabalho.
Nesse ano um dos filmes mais premiados foi o Moonlight, um filme que retrata a vida de um jovem negro em três fases, da infância à crise de identidade até as drogas. Esse último ainda ganhou o Prêmio de Melhor Filme com direito a maior gafe da história da entrega do prêmio, os atores de Bonnie e Clyde receberam um envelope errado e deram o prêmio a La La Land, o palco ficou lotado pelos realizadores do filme e quando estavam prestes a sair, depois de realizarem seus discursos inflamados e orgulhosos, eis que um dos organizadores, sem mais nem menos entra e diz que o grande ganhador foi Moonlight… O mundo inteiro ficou surpreso.
Um Limite Entre Nós também foi uma das grandes estrelas da noite, Viola Davis ganhou Oscar por sua atuação e Denzel ficou contente com sua indicação, porém, não levou a estatueta de melhor ator que acabou sendo arrebatado pelo Casey Affleck. Eu não vi a cara de Denzel, mas parece que não ficou muito contente com o resultado, mas até aí… Esses dois filmes mencionados contam com um elenco de afrodescendentes, e algo interessante a se destacar sobre esses filmes é que, quando são realizados os atores brancos são minoria, isto é, quando existem atores brancos. Como podemos chamar isso?
Na minha opinião, às vezes os negros parecem muito mais preconceituosos que os próprios brancos, por exemplo, se um negro sair na rua com uma camisa de 100% negro, ele será visto como um defensor de sua cor e raça, agora, se um branco sai com uma camisa 100% branco, ele será visto como preconceituoso e se for fortinho e careca, provavelmente será confundido com um skinhead. Compreendem minha questão? 
E antes que alguém me acuse de preconceituoso, deixo claro que não sou, tenho amigos negros e para mim somos todos iguais, não avalio embalagem, mas sim conteúdo, que é o que mais temos de importante. O que dói é essa distinção de alguns brancos e dos próprios negros, Chris Rock estragou o Oscar 2016 com suas piadas ácidas, ao meu ver, ele foi o maior preconceituoso do evento e o pior, colocando os negros como coitadinhos que deveriam concorrer ao prêmio mesmo com filmes horríveis e sem significado. Será que os negros ficariam orgulhosos de participar com algo que realmente não vale a pena ser visto?
Acho que todos nós devemos ser premiados por coisas boas, por um trabalho bem feito, estruturado e feito com muito amor e não somente por que temos certas limitações ou por sermos banalizados pela maioria da sociedade. No Oscar 2017 houve uma presença maciça de negros, também, os trabalhos foram soberbos, Denzel Washington parece que não curtiu perder para um branquinho, será que ele acusará de preconceito ou verá que o rapaz desempenhou um papel melhor que ele? 
N.R.: escrevi sobre o Oscar 2016 e sobre a terrível apresentação de Chris Rock como mestre de cerimônias, fui procura-lo no meu site e cadê o texto… Estranho, muito estranho…