Como as pessoas são pequenas vistas aqui de cima! Gostaria de saber o que passa na cabeça de cada uma neste momento único. Será que são felizes? Será que possuem tudo que desejam? Acho que devem ter… afinal, quem pararia para ficar apreciando tal cena?! Em pleno dia da semana, antes mesmo do sol nascer! Eles deveriam estar seguindo para seus deveres sem quaisquer preocupações. Mas não, estão parados observando a cena. Aposto que estão pensando – Aquele cara deve ser um louco! Um covarde! – Não os condeno se pensarem desta forma. Um dia também pensei assim. É muito mais fácil dizermos para seguir um caminho. Não somos nós. Não é nossas vidas. E também temos nossos próprios problemas… Mas agora compreendo.

Bom dia sol! Finalmente nasceu. Estava lhe esperando, para poder contemplá-lo mais uma vez. Para ajoelhar perante sua grandeza misteriosa. É um titã, talvez os deuses uniram suas forças e escolheram um planeta para habitar. Existe força demais, apesar da distância gigantesca, cruza o universo com seu brilho, com seu calor, equilibra as estações – apesar dos seres alterarem seu próprio meu ambiente – Quem dera ter sua força, poder brilhar nas vidas das pessoas como um sonho bom, mas… Quem sou além de um ser humano caminhando pelo mundo como tantos outros… Como todos aqueles patéticos que apreciam a cena. Eu posso ouvir seus pensamentos, eles querem que eu pule, quem sabe, poderei lhes entregar alguma diversão ou algo para pensarem após o término do show. Quem sabe algum poeta transformará minha atitude em uma epopéia de resistência, chamando-me de covarde por motivos inventados por suas ideias românticas e imaginativas. Tudo bem, eles não entenderiam mesmo, e também não quero perder o resto de tempo explicando algo que ninguém vai compreender de verdade.

As pessoas pensam demais em seus problemas e acabam perdendo o que tem de mais precioso – o tempo – desperdiçamos com procuras de respostas, procuramos pessoas para ao menos nos dar uma palavra de carinho, algo para nos ajudar, às vezes encontramos, mas, algumas acabam nos derrubando mais ainda, tornando nossos problemas ainda maiores… Mas, quem procura acha, não é mesmo? Nem sempre encontramos respostas, pois procuramos nos lugares errados. Cegos pela dor e incompreensão, esquecemos de olhar para nosso interior, e, é lá que estão as respostas.

Pensem, cavamos um poço bem fundo, se ficarmos presos é por que não pensamos em como sair. De duas uma: ou espera alguém aparecer para lhe salvar, ou então, sobe com suas próprias forças. Outras pessoas preferem olhar para os céus e com as mãos unidas, rezar, apenas rezar… mas, somos dotados de pensamentos, ideias, revolucionários desde o nascimento, nascemos para vencer, mas, também para lutar e, batalhas não são fáceis, pelo contrário, sangue jovem irriga a terra e torna as sementes mais saudáveis, pois tudo que plantamos retorna à nós de alguma maneira.

Mas, porque estes pensamentos? Acho que a loucura predomina em minha alma, se eu estivesse lá embaixo, observando, tudo bem, mas… sou eu quem está por cima… sou eu o observado por muitos olhos, sei que esperam uma atitude de minha parte. Mas, como ter pensamentos suicidas, sendo que nada sou apenas um lutador frustrado. Não alcancei todos os ideais que desejava, mas será que lutei o suficiente? Como saber? Um oráculo poderia responder, se realmente existissem. É claro…
Sei que meus pensamentos deveriam ser revoltosos como o mar em uma tormenta ou, como um incêndio com suas chamas devoradoras, mas… Não consigo pensar em tais coisas. Tenho a consciência de que, se cheguei neste estágio é porque deixei os ventos controlarem minha embarcação, e, não devemos ir conforme o vento. Muitas vezes devemos nadar contra a correnteza, nem sempre o que está em nossa frente é o caminho, tudo é tão incerto.

Oh céus! Com suas nuvens claras, quantas formas posso avistar em sua dança lenta. Cenas tão belas que deixo de desejar, não posso mal olhar para minha face, a vergonha persegue meus pensamentos. Como é difícil continuar sabendo que o amanhã será mais difícil do que o hoje, tudo é incerto… minhas lágrimas rolam, amargam meus lábios, os pensamentos, num turbilhão de ideias se confundem com a realidade… Oh Deus, sei que não caminharei para os portões do paraíso, mas, tenho o direito de saber o que é melhor para mim, então sigo pelo caminho e deixo-me levar pelo vento… Chegou a hora de cair…

O vento forte sopra meus cabelos. Sinto-me um anjo caindo de sua graça, os pensamentos começam a desaparecer. Repelir o grito? Neste momento seria disfarçar o que não pode ser encoberto. É tarde demais, como o pensamento: – E se tudo que passei foi apenas para testar minha dor? O que poderei encontrar no final se houvesse continuado? Mas agora é tarde demais.

O chão cada vez mais próximo, olhos masculinos, arregalados e surpresos, enquanto as mulheres, escondem-se para não apreciar a cena, mas agora é tarde, meu corpo cai para o inevitável. Agora nada pode parar, sou um torpedo, a cada janela ganho mais velocidade, ele se aproxima rapidamente, agora é esperar pela colisão… Mas quero dizer a todos: agora poderei dormir em paz, pois não existirá mais dor… Devo ficar em paz, e encontrar uma razão para tal ato, pois o arrependimento, são chagas que perduram pela existência… Adeus.

Atenciosamente

Emanuel Franco