Quando a noite chegar aterrissando em sua janela
E sentir o leve roçar de uma brisa soprar seus cabelos
Talvez olhe para os lados e lembre-se
De todos os sonhos escritos em um pedaço de papel.

Talvez uma delas acabe voando para debaixo de algum móvel,
Então, nossos sonhos se esconderão da luz da realidade
E mergulhará nas trevas do esquecimento, sob o passar dos dias
E lá, permaneceremos até o dia que tentarmos mudar…

Mas agora querida, o que posso fazer além de lhe acenar?
Eu não posso ficar onde sei que não poderei realizar sonhos.
Talvez, se tentasse entender e se valesse a pena viver
Quem sabe poderíamos dia após dia com isso aprender.

Eu sei que trago às minhas costas toda minha história
Mas, e se foi por sua causa que cai tantas vezes?
E se foi para saber exatamente como te amar
E como te preservar aqui? O que farei agora…

A noite desce lentamente pelos meus olhos
Enquanto uma lágrima rola no silêncio da partida
Eu suspiro e penso: se pudesse refazer cada passo
Com certeza eu tentaria ser o melhor…

Mas, e se eu for o melhor do jeito que estou?
E tudo simplesmente for uma questão de aceitar
De seguir e aprender uma nova forma de amar
Como saberíamos… sem ao menos tentar…

Eu não posso me julgar o melhor para você
Pois somente você sabe o que você deseja
Enquanto isso, eu vou ficando por aqui
Sendo encurralado sozinho pelos pensamentos.

E não me condene por dizer que preferia partir
Pois é por achar que você precisa de algo melhor
Que eu prefira simplesmente deixar de existir
Assim, você pode estar livre para tudo que decidir.

Eu sei que o mundo não é perfeito como queremos
Eu posso dar vida ou matar uma personagem
Mas não posso ostentar uma miragem ou passagem
Que apenas eu, queira enfrentar

Desculpe por mergulhar em meu silêncio,
Em minhas escuridões ainda me sinto seguro
Sei que não tenho como deixar de ver minha realidade
Mas ao menos, me engano, antes de perder a sanidade.