A quantidade de belas imagens com mensagens de diversos temas povoa os usuários de redes sociais, entre outros meios de comunicação. No WhatsApp, por exemplo, é uma quantidade enorme de imagens que nos bombardeiam com: bom dia, boa tarde, boa noite e outros derivados. Confesso que não é do meu feitio compartilhar tais conteúdos.
 
Isso até hoje. Recebi uma imagem que chamou tanto minha atenção que me fez refletir sobre sua mensagem o dia inteiro praticamente. E apesar de compartilharmos muitas coisas pelas redes sociais, a humanidade nunca esteve tão egoísta em toda sua história.

Uma contradição, caso levarmos em consideração as coisas que compartilhamos, não é verdade?

Além de egoístas, somos seres vingativos. Basta alguém nos machucar de alguma maneira que estamos bolando ou desejando uma maneira para que pague pelo que nos fizeram. Algumas pessoas passam suas vidas inteiras desejando o mal, preferem se envenenar durante suas vidas inteiras em vez de perdoar e seguir em frente.
 
 
Todos nós cometemos erros. Alguns nos trazem dor, outros, levam dor. O que realmente importa são as lições que aprendemos com nossas próprias falhas e, por mais terríveis que sejam, os erros são importantes para o nosso aprendizado e crescimento, afinal de contas, estamos aqui para aprender e sermos pessoas melhores.

E para isso, nada melhor do que observar a maneira que estamos trilhando nosso caminho.

Voltando ao assunto, na imagem que gerou essa crônica lia-se: “se alguém fazer você feliz… revide!” Quantas vezes revidamos um sorriso ou gentileza para alguém que nos faz sorrir? Quantas vezes revidamos a importância de uma existência que dá sentido, ou melhor, que complementa nosso próprio sentido? Quantas vezes revidamos a força e a fé que depositam em nós em nossos momentos difíceis? Quantas vezes revidamos uma mão estendida que nos ajuda a levantar? Quantas vezes revidamos quando ouvimos: “não tenha medo, você não está sozinho!”?
 
Infelizmente, nós seres humanos não revidamos as coisas boas, pelo contrário, às vezes nem damos a verdadeira importância. Na maioria das vezes, nem agradecemos pelo simples fato de alguém dedicar uma parte de seu tempo para nos perguntar se está tudo bem. Nosso tempo é escasso demais para perceber no olhar daqueles que nos amam que estamos sendo refletidos neles.

Acabamos revidando ignorância, pouco caso e semeamos naquele coração, uma erva daninha que, aos poucos, vai consumindo tudo pelo caminho.

O amor é uma semente muito sensível e frágil, por isso a necessidade de cuidados especiais. Não basta jogar em um coração e deixar a natureza fazer o resto. No amor isso não funciona! É a natureza humana que dá força, que ajuda a florescer, que define a força daquela plantinha que crescerá no peito. Por isso, quando alguém que ama lhe sorrir, revide com um sorriso e, se por ventura a pessoa não te amar, sorrie mesmo assim, revide por educação, pois a educação é uma forma de demonstrar amor ao próximo.
 
 
Quantas vezes revidamos um insulto? Quantas vezes revidamos um abraço? Quantas vezes olhamos para a pessoa que está ao nosso lado e revidamos a parceria, a cumplicidade, o amor… Tudo bem, na vida a dois existem altos e baixos. E todos nós, ou já ouvimos ou ouviremos, que não éramos de determinado jeito antes, mas as pessoas crescem, mudam, aprendem, faz parte da instituição familiar… E, em tudo que existe a palavra instituição é preciso colocar cada um em seu devido lugar, respeitando a integridade, direitos e igualdade de todos os membros para que realmente as coisas seguirem o rumo certo.
 
 
Agora, deixo uma pergunta: quantas vezes revidou uma gentileza? E quantas vezes revidou um “vai se foder” no trânsito ou até mesmo na rua? Quantas vezes revidou uma ajuda que lhe deram em algum momento de sua vida e quantas vezes desejou amarrar o nome de alguém na boca do sapo? Precisamos aprender a revidar não somente as coisas ruins, mas também as boas, como dizem por aí: tudo volta para nós em algum momento de nossas vidas.