Quem castra um dia será castrado

Compartilhe agora mesmo

Jessica Farrar é uma deputada do Texas/Estados Unidos que propôs uma lei nada comum. Farrar, por defender os direitos ao aborto e o planejamento familiar, decidiu propor que os homens fossem multados em cem dólares por se masturbarem… A deputada se apoderou da legislação para lembra-la: “um ato contra uma criança prestes a nascer…” E o dinheiro arrecado das multas seria revertido para as crianças sob custódia do Departamento de Serviços Familiares e Proteção.
Mas a lei de Farrar não para por aí, em defesa das imposições femininas, a deputada ainda exigiu que os homens que solicitassem uma vasectomia ou receita de viagra, deveriam se submeter a um exame retal. Tudo isso em resposta pelas exigências do estado do Texas que, força a mulher a se submeter a uma ultrassonografia vaginal.
Essa lei chamou atenção de muitas pessoas e acabou se tornando uma piada. A deputada Farrar não se incomodou com isso e ainda revela que é proposital. Tudo que ela almeja é chamar atenção para os escrutínios que a mulher é submetida pelo simples fato de querer fazer seu planejamento familiar ou simplesmente cuidar da saúde. 

Farrar sabe que a lei vai causar mais risadas do que qualquer coisa, no entanto, foi uma maneira que encontrou para chamar atenção para as necessidades femininas e da dificuldade de conseguirem uma assistência médica descente. O aborto apesar de estarmos em plena era da informática ainda causa discussões a respeito se deve ser feito ou não. E como sempre, as religiões estão ao lado da vida, independente se a vida foi gerada por um estupro ou não.
Mas, vamos ser francos… Faz sentido, afinal de contas, aquela sementinha que os pais costumam contar aos filhos curiosos, carrega uma quantidade de seres que podem gerar vidas, não é verdade? Imagine agora quantas vidas são desperdiçadas no ato da masturbação… Quantas almas descem pelos ralos do banheiro? Quantas almas ficam presas dentro de uma camisinha? Quantas almas são perdidas em meio de uma ejaculação noturna? Já pararam para pensar nisso? Os espermatozoides em vez de estarem correndo para um óvulo estão correndo para um ralo…
Imagine se essa lei pegar o que pode acontecer ao mundo? Todos os banheiros do planeta poderão receber câmeras para evitar a masturbação clandestina. As camisinhas poderão ser expulsas por serem uma barreira contra os direitos do espermatozoide de encontrar o óvulo. Os anticoncepcionais serão proibidos por inibirem os bichinhos de chegarem onde nasceram para chegar, sem falar nos outros métodos existentes por aí. As novelas perderiam as cenas de sexo para não estimularem a masturbação. A pornografia seria banida pra a deepweb e as palavras de cunho sexual que pode instigar uma punhetinha se tornariam um sacrilégio à vida.
No fim, haveria diversas propagandas pró “esperma no alvo”. O mundo passaria por uma superpopulação e com certeza, no máximo de vinte anos, o planeta estaria completamente fadado a ser consumido por uma leva de gafanhotos humana. Sinistro… E como os seres humanos adoram um perigo, com certeza haveria casas de masturbação clandestinas, lugares rebeldes erguidos apenas para os homens poderem ter descascar uma sem medo de serem penalizados.
Talvez surgiriam grupos secretos de hedonistas em prol da liberdade da masturbação, ou, viajando mais ainda, uma passeata em plena Av. Paulista com homens caminhando pelados enquanto se masturbam exigindo seus direitos de fazerem isso sem serem multados, claro, essa liberdade de masturbação estaria limitada ao interior de sua própria residência ou a qualquer banheiro. É sempre bom lembrar que tem aqueles loucos que fazem isso na rua, nos coletivos (nas costas dos outros) esses sim, deveriam continuar a serem punidos, afinal de contas, a masturbação é um prazer solitário, podendo ser feito por um ou não, mas sempre entre quatro paredes, onde tudo é permitido, até mesmo gozar sem risco de ser multado.

Compartilhe agora mesmo

Deixe um comentário